A naturalidade está cada vez mais em pauta quando o assunto são cabelos, com formas e texturas autênticas ganhando destaque e se tornando preferência do público feminino. Para quem costumava alisar os fios, a transição capilar é a forma de se alcançar essa naturalidade, assumindo sua identidade e o cabelo ao natural.

O que é a transição capilar?

A transição capilar é nada mais nada menos do que o processo que o cabelo com química passa até chegar ao natural. Mais ainda, é um processo de aceitação de identidade e dos fios ao natural.

Como saber se estou em transição?

Se você usa/usava algum tipo de química que altera a estrutura dos fios, como relaxamento, progressiva ou permanente, e resolveu parar, então você está em transição capilar. E não só isso, quem não conseguia deixar de usar a chapinha e/ou o babyliss e resolveu parar, também está em transição.

Como fazer e quanto demora?

A transição não é feita, ela acontece. Para entrar no processo, basta deixar de usar química em seus fios e deixá-los crescerem até estarem totalmente ao natural. Esse período não tem um tempo definido e varia caso a caso.

O tempo de transição varia de acordo com o quanto o cabelo cresce e o tipo de química utilizada. Por exemplo, se o cabelo crescer 1 centímetro por mês, que é a média, toda a transição pode acontecer de 24 a 36 meses, mas não é uma regra.

Esse é um período que demanda muita paciência e carinho com o seu cabelo. Por isso, abrace hábitos saudáveis, desde tratamentos para os fios até mudanças na alimentação. Algumas dicas:

– Crie um cronograma de cuidados semanais que se encaixem à sua rotina, esqueça as químicas e diminua ao máximo o uso;

– Esqueça de vez os processos químicos;

– Diminua ao máximo o uso de ferramentas de calor, como o secador e a chapinha. Caso as use, invista em um bom protetor térmico;

– Invista em mudanças alimentares. Elas fazem muita diferença no fortalecimento e no aceleramento do crescimento do cabelo.

É realmente preciso cortar o cabelo?

Para retirar a parte alisada – o famoso Big Chop (BC) – não é obrigatório, mas certamente acelera o processo. Muitas pessoas investem em texturizações, para amenizar a diferença de texturas ou mesmo passam todo o período fazendo escovas, chapinha ou babyliss. Essa última é uma opção viável, mas lembre-se que o uso das ferramentas de calor ajudam a ressecar os fios, então os cuidados devem ser dobrados.

Para quem optar por realizar o BC, a vantagem é que os fios ficam mais leves e saudáveis, o que fortalece a fibra capilar e agiliza o crescimento. Além disso, quando você logo volta a ver os seus cachinhos, fica mais fácil se adaptar psicologicamente ao novo visual.

Como lidar com o frizz e as diferenças de texturas?

O aumento do frizz durante a transição capilar é normal. Isso ocorre porque o cabelo não está acostumado a ficar em sua forma natural. Invista em bons finalizadores para ajudar a modelar os cachinhos e a deixá-los mais comportados. O All In BB Cream e o Leave In Deep Repair são ótimas indicações. Eles são leves, mas potentes, e não irão pesar nos novos cachos que estão se formando. Ambos são fortalecidos com óleos essenciais – de Ojon e Argan, no leave in, e de macadâmia, no All In BB Cream, que nutrem e fortalecem os fios.